Nota Pública do Grupo Arco-Iris sobre o segundo turno das eleições presidenciais – A esperança e o amor vão vencer o ódio!

Pelo direito de existir e em favor da democracia, somos Haddad e Manuela! A esperança e o amor vão vencer o ódio!

O Grupo Arco-Íris alerta toda a comunidade LGBTI+ para o grave momento político atual no Brasil, de ameaça à democracia, às liberdades individuais e aos direitos já conquistados. Por isso, convoca cada brasileira e brasileiro LGBTI+, pessoas amigas, familiares e democratas a votarem no segundo turno das eleições presidenciais em Fernando Haddad e Manuela D´Ávila, única saída para manter o Brasil no prumo da democracia e pela melhoria da qualidade de vida dessa e das futuras gerações. Nosso voto é pelo diálogo. Pelo amor e a liberdade. É pelo direito a igualdade. Pelo direito de existir!

O Grupo Arco-Iris de Cidadania LGBTI+, entidade sem fins lucrativos, suprapartidária, há 25 anos atuando na defesa, garantia e promoção dos direitos humanos de LGBTI+, organizador da 23ª Parada do Orgulho LGBTI-Rio, que levou mais de 1 milhão e duzentas mil pessoas a Copacabana, no dia 30 de setembro de 2018, com o tema “Vote em ideias e não em pessoas. Vote em quem tem compromisso com a Causa LGBTI+”, vem a público manifestar posicionamento diante do quadro do segundo turno das eleições para a presidência da República do Brasil, como segue:

Considerando que temos como um dos objetivos principais o diálogo com todas as frentes em busca da defesa dos Direitos Humanos e que a nossa base primordial é a defesa incondicional desses Direitos, acima de qualquer bandeira partidária, política e/ou ideológica, afirmamos categoricamente que não podemos compactuar com ideias e atitudes que dialogam com o fascismo, o discurso de ódio, a negação da pluralidade humana, a rejeição das diferenças, de louvor a ditadura – uma página tenebrosa na história brasileira, e nem com propostas de governo que ataquem direitos já conquistados para os mais desfavorecidos da população brasileira e nem com a violação das liberdades individuais, duramente garantidas pelas lutas do povo brasileiro, por meio de movimentos sociais e pessoas ativistas em várias áreas. Ativismo esse que denuncia, propõe e luta por melhorias na qualidade de vida dos vários segmentos populacionais. Portanto, não podemos compactuar também com ideologias autoritárias que negam a importância da militância civil e do ativismo por direitos, ferramentas necessárias para o fortalecimento e consolidação dos pilares da democracia.

 

Considerando que não podemos compactuar com ideias publicamente declaradas em conferências, redes sociais, entrevistas contrárias aos direitos civis da Comunidade LGBTI+, que contribuem para a incitação do ódio e a violência contra nós, inclusive contra crianças e adolescentes, disseminando a intolerância e o sofrimento, contribuindo para o suicídio e a exclusão social.

 

Igualmente, não podemos compactuar com o racismo, representado por ideias de inferiorização da raça negra, responsável pelo genocídio da juventude negra brasileira e pelos prejuízos históricos que demarcam uma extrema exclusão econômica da população negra, nem tampouco aceitar o machismo – enraizado em nossa sociedade, que inferioriza as mulheres, que viola física e psicologicamente milhares de pessoas do gênero feminino, adultas e crianças, que tem suas vidas roubadas, em razão da cultura do estupro. Também não podemos compactuar com declarações que desrespeitam a população indígena, seus direitos e suas terras, enquanto há grandes latifúndios improdutivos. E repudiamos qualquer tentativa de violação do Estatuto do Desarmamento. Ao invés de se ter arma na mão, propomos mais livros.

Entendemos que o Brasil vive uma grave crise institucional, política, econômica e de governança, mas esta só será superada com muito diálogo e respeito a pluralidade e as necessidades de todo o povo brasileiro, especialmente com um olhar cuidadoso para as pessoas que mais precisam. Não podemos ignorar o momento em que vivemos, onde os direitos sociais, econômicos, culturais e civis vêm sendo atingidos, lesando de forma contundente a vida de milhares de pessoas.

 

Nosso apoio é pela vida de todos os seres humanos, pelo afeto, pela liberdade de cada pessoa, respeitando-se a pluralidade e as diferenças. Nosso voto é em nome das mães e filhas, negras ou brancas, pais, de sua amiga ou amigo, de irmã e irmão, de filha ou filho, dos seus parentes LGBTI+ e pelas pessoas que transitam todos os dias nas ruas e que podem levar um tiro pelo armamento civil descontrolado e estimulado.

 

Por isso, O Grupo Arco-Iris resolve:

Diante do quadro de candidaturas no segundo turno das eleições presidenciais no Brasil, onde há dois projetos de sociedade claramente opostos e em disputa, um representado pelo inominável, que é o da barbárie, do fascismo, do obscurantismo, da violação de direitos, da negação da diversidade humana, do discurso de ódio e de louvor a ditadura, do ataque as políticas sociais e econômicas dirigidas aos mais pobres e do outro lado, há o projeto representado pela candidatura de Haddad e Manuela,  que defende o fortalecimento da democracia e da participação social, o respeito aos direitos humanos e às liberdades individuais, bem como, a igualdade de direitos e luta pela da inclusão socioeconômica das pessoas mais pobres e em situação de vulnerabilidade social.

A escolha agora é entre a barbárie e o processo civilizatório!

Portanto, não há dúvida que o caminho para seguir construindo a democracia, a igualdade de direitos, a cidadania e os direitos humanos passa pelo apoio incondicional e público a candidatura à presidência de Haddad e Manuela. Assim, O Grupo Arco-Íris alerta toda a comunidade LGBTI+ para o grave momento político atual no Brasil, de ameaça à democracia, às liberdades individuais e aos direitos já conquistados. Por isso, convoca cada brasileira e brasileiro LGBTI+, pessoas amigas, familiares e democratas a votarem no segundo turno das eleições presidenciais em Fernando Haddad e Manuela D´Ávila, única saída para manter o Brasil no prumo da democracia e pela melhoria da qualidade de vida dessa e das futuras gerações. Nosso voto é pelo diálogo. Pelo amor e a liberdade. É pelo direito a igualdade. Pelo direito de existir!

Rio de Janeiro, 09 de outubro de 2018

 

Grupo Arco-Iris de Cidadania LGBTI+